Categoria: Anabolizantes
 
 

Deposteron (cipionato de testosterona)


Informações sobre o Deposteron

Esta droga injetável é conhecida por promover rápido ganho de força e volume muscular. É altamente androgênica e com boas propriedades anabólicas. Como a maior parte das testosteronas, esta droga tende a aromatizar facilmente, sendo provavelmente a maior responsável pelas ginecomastias entre culturistas. Por reter muita água, pode causar acentuada elevação na pressão arterial em alguns usuários. É utilizada fora de temporada, quando o objetivo é ganhar peso. O Deposteron também tem a fama de atrofiar os testículos mais rapidamente do que qualquer outra droga do mercado, além de ocasionar perdas vertiginosas de força e volume tão logo a droga seja descontinuada. Encontra-se como recomendação o acompanhamento com Nolvadex durante a administração do cipionato. Na Europa o laboratório Leo produz o cipionato de testosterona com o nome de Testei, no Brasil a NOVAQUÍMICA produz o Deposteron.

Apresentação: Caixa com uma ampola de 200mg/ml. É produzido pela NOVAQUÍMICA no Brasil.

 

Bula da Deposteron

DEPOSTERON®

Cipionato de Testosterona

APRESENTAÇÃO 
Solução oleosa injetável: caixas com 1 e 3 ampolas de 2 ml

USO ADULTO 

COMPOSIÇÃO 
Cada ampola contém:
Cipionato de testosterona……………………………….. ……………………………………….. 200 mg
Veículo oleoso q.s.p……………………………………… ………………………………………….. .. 2 ml
(Álcool benzílico, Benzoato de benzila, Óleo de amendoim)

INFORMAÇÕES AO PACIENTE 
Proteger da luz, calor, umidade e congelamento.
Não utilize o produto fora do prazo indicado.
Para sua segurança, mantenha a embalagem até o uso total do medicamento.
O número de lote e as datas de fabricação e validade estão carimbadas na embalagem do produto.
Este produto é exclusivo para uso intramuscular.
Seguir rigorosamente a posologia indicada. Se porventura perder uma dose, usar imediatamente a medicação, mas não aplicar se estiver muito perto da hora da próxima dose.
Informar ao médico imediatamente a ocorrência de reações desagradáveis como: amarelecimento dos olhos ou pele; fezes ou urina enegrecidas; manchas roxas ou avermelhadas no corpo ou dentro da boca ou nariz; febre, garganta irritada, vômito com sangue, além de outras reações que possam estar associadas ao medicamento.
Informar ao médico se estiver amamentando.
Informar ao médico a ocorrência de gravidez durante ou após o tratamento.

NÃO TOME MEDICAMENTO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA SUA -SAÚDE.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS
A testosterona, principal andrógeno natural, é responsável pelo desenvolvimento e manutenção dos caracteres sexuais secundários masculinos, exercendo ainda importante ação anabolizante.
Esta última propriedade contribui sobretudo para a aceleração do processo de crescimento na puberdade por -estímulo do crescimento ósseo e modulação do processo de soldadura das epífises dos ossos longos.
Sob a forma de cipionato tem ação terapêutica prolongada, uma vez que deverá ser hidrolisada in vivo em testosterona livre, sendo neste aspecto, superior ao propionato.
O cipionato de testosterona liga-se fortemente às proteínas plasmáticas.
É biotransformado no fígado e eliminado principalmente pela urina. Sua meia-vida é de aproximadamente 8 dias.
Nos tecidos alvo é convertido a 5-a dihidrotestosterona, a qual suprime por feedback negativo o GRH, o LH e o FSH.
No homem normal estimula a atividade da enzima RNA-polimerase e a síntese de RNA específico, resultando num aumento de produção de proteínas.
A testosterona estimula a produção eritrocitária, devido à intensificação que provoca na síntese dos fatores -estimulantes de eritropoiese.

INDICAÇÕES – DEPOSTERON
Hipogonadismo primário congênito ou adquirido, quando há insuficiência testicular devido à criptorquidismo, torsão bilateral, orquite, síndrome de ausência testicular ou orquidoctomia.
Hipogonadismo hipogonadotrófico: quando há deficiência congênita ou adquirida de LH-RH (hormônio liberador do hormônio luteinizante) ou dano hipotalâmico-hipofisário devido a cirurgias, traumas, tumores ou radiação.
Puberdade retardada: quando há padrão familiar de puberdade tardia, não secundária a uma desordem patológica, em pacientes que não responderam à terapia psicológica de suporte.
Climatério masculino: como terapia repositora na impotência ou outros sintomas associados a esta desordem, quando a etiologia é devida a uma deficiência androgênica constatada.
Desnutrição severa na velhice: desde que o aporte protéico seja suficiente.
Anemias específicas: anemia aplástica, mielofibrosa, mieloesclerose, metaplasia mielóide agnogênica, anemias hipoplásticas causadas por malignidade ou drogas mielotóxicas.
Carcinoma inoperável de seio: como tratamento paliativo secundário ou terciário do câncer metastático do seio em mulheres com tumores hormônio-receptivos ou que tenham demonstrado previamente resposta à terapia hormonal.

CONTRA INDICAÇÕES da DEPOSTERON
É contra-indicado em portadores de câncer do seio (masculino), câncer ou adenoma da próstata sabido ou suspeito, insuficiência cardíaca, hepática ou renal grave; indivíduos pré-púberes ou em estados agressivos; gravidez.

ADVERTÊNCIAS 
No tratamento paliativo de câncer do seio descontinuar a terapia se após três meses a doença voltar a progredir ou se for verificada hipocalcemia em qualquer fase do mesmo.
A androgenoterapia na mulher, mesmo de curta duração, pode precipitar virilização, particularmente vocal e pilosa.
A androgenoterapia é desaconselhada para melhorar a performance atlética.
Em crianças, deve-se usar DEPOSTERON® com cautela devido aos efeitos adversos no processo de maturação óssea, que pode ser acelerado sem produzir ganho compensatório no crescimento linear.

PRECAUÇÕES 
Quando pacientes masculinos, acima de certa idade, são tratados com andrógenos, eles podem ter um risco maior de aumento de tamanho da próstata ou de desenvolvimento de câncer de próstata. Por esta razão, exames de próstata e de sangue são freqüentemente realizados antes de prescrever andrógenos a homens de mais de 50 anos. Os exames podem ser repetidos durante o tratamento.
Fertilidade: durante o tratamento de longo prazo pode ocorrer oligospermia, azoospermia ou função reduzida do esperma, resultando em possível infertilidade, com remissão espontânea após a descontinuidade da terapia.
Hipertrofia Prostática Aguda Benigna: pacientes com esta condição podem desenvolver obstrução uretral aguda, exigindo suspensão imediata da medicação.
Monitoramento: deve-se determinar freqüentemente os níveis séricos e urinários de cálcio em mulheres portadoras de carcinoma metastático do seio sob tratamento com testosterona.
Durante o tratamento em meninos em idade pré-puberal, fazer radiografia óssea a cada 6 meses.
Porfiria aguda intermitente: cautela em pacientes que já apresentam este quadro. Andrógenos podem precipitar ataques desta afecção.
É usualmente preferível iniciar o tratamento com doses terapêuticas plenas e ajustar posteriormente às características individuais.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS 
Os seguintes fármacos podem interagir com DEPOSTERON®:
- Adreno, glico ou mineralocorticóides; corticotrofina; alimentos ou medicação contendo sódio (podem -aumentar o risco de edema e predispor à acne).
- Antidiabéticos orais ou insulina (pode haver redução dos níveis séricos de glicose).
- Somatotrofina (pode acelerar a maturação das epífises).
- Medicamentos hepatotóxicos (a incidência de hepatotoxicidade pode ser aumentada).

REAÇÕES ADVERSAS
As seguintes reações exigem acompanhamento médico: virilização e irregularidades menstruais em mulheres, irritabilidade da bexiga, ginecomastia, epididimite em homens.
Anafilaxia, edema, eritrocitose, irritação gastrointestinal, hipercalcemia e policitomia, alopecia androgênica, seborréia e acne, em homens e mulheres. Carcinoma, hipertrofia prostática e aumento do desejo sexual podem se desenvolver em pacientes idosos.
São reações adversas de incidência rara ocorridas durante terapia de longo prazo ou com altas dosagens: necrose hepática, leucopenia, púrpura hepática.
Outras reações raras são: constipação, náusea, diarréia, infecção, vermelhidão, dor ou irritação no local da injeção, alterações na libido, dor estomacal, dificuldade no sono, impotência, atrofia testicular, cefaléia, ansiedade, depressão, parestesia generalizada, apnéia do sono, rash cutâneo.

POSOLOGIA 
Hipogonadismo, climatério e impotência (terapia de reposição masculina): 50 a 400 mg, I.M., a cada 2 a 4 -semanas.
Puberdade retardada masculina (terapia de reposição): 25 a 200 mg, a cada 2 a 4 semanas, por um período usualmente limitado a 6 meses.
Antineoplásico, em câncer inoperável do seio (feminino): 200 a 400 mg, I.M., a cada 2 a 4 semanas.
Vias e cuidados especiais de administração:
O uso da agulha ou seringa úmidas pode causar turvação na solução, o que não afeta, entretanto, a efetividade da medicação.
Se porventura verificar a formação de cristais nas ampolas, o aquecimento e agitação podem proporcionar a redissolução imediata.
A injeção intra-muscular deve ser administrada profundamente no músculo glúteo ou no deltóide, em caso de indivíduos grandes.
Não administrar intravenosamente.
Agite bem antes de usar.
Conservar abaixo de 40° C (ideal entre 30° C e 15° C) e proteger do congelamento.

SUPERDOSAGEM 
Doses freqüentes podem desencadear sintomas de sobredosagem de remissão lenta, por tratar-se de medicamento de longa ação. Recomenda-se suspender imediatamente o medicamento.

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA 

Farm. Resp.: Dra. Maria Geisa P. de Lima e Silva – CRF – SP nº 8.082
Registro MS nº 1.0583.0173
NOVAQUÍMICA – SIGMA PHARMA
Divisão da Nature’s Plus Farmacêutica Ltda.
Rodovia SP-101, km 08 – Hortolândia – SP – CEP 13186-481
C.G.C. 45.992.062/0003-27 – Indústria Brasileira


 

Perfil Completo da DEPOSTERON

Deposteron

Autor Anthony Roberts

Retirado de forums.steroid.com

Traduzido, Adaptado e Complementado por MRJP

 

(Testoterona Base + Éster Cipionato)

[17b-hidroxi-4-androsten-3-um]

Peso Molecular(base): 288.429

Peso Molecular(éster): 412.6112

Fórmula Química(base): C19 H28 O2

Fórmula Química(éster): C8 H14 O2

Ponto de Fusão(base): 155ºC

Ponto de Fusão(éster): 98-104ºC

Fabricante: Sigma Pharma

Dose Efetiva(Homens): 300-2000mg/semana

Dose Efetiva(Mulher): Não recomendado

Tempo de Ação: 15 a 16 dias

Tempo de Detecção: 3 meses

Relação Anabolismo/Androgenicidade: 100:100

Apresentações: Deposteron 100mg/ml 3 ampolas R$30
Testosterona é o hormônio responsável por diversas ações fisiológicas. Promove libído, perda de gordura, manutenção da massa magra e densidade óssea e previne doenças cardiovasculares(1). Isso torna a testosterona o pai de todos os esteróides.
Testosterona tem um incrível balanço de anabolismo/androgenicidade, sendo uma ótima droga para construir mais massa e força. Ela promove retenção de nitrogênio no músculo(2), isso significa maior síntese proteica. Testosterona também pode aumentar os níveis de outro hormônio anabólico, o IGF-1 no tecido muscular(3) e a incrível habilidade de aumentar a atividade das células satélites(4) que tem importante função na reparação muscular. Ela tembém se liga ao receptor androgênico para promover a perda de gordura e ganho de massa por mecanismos dependentes desses receptores(5), isso também aumenta a concentração de AR nas células, o que é indespensável para o reparo e crescimento muscular(4)(6). Testosterona induz mudanças na forma, tamanho e também pode mudar a aparência e o número de fibras musculares(7). Androgênicos de forma geral podem proteger o tecido muscular do catabolismo e dos hormônios glicocorticóides(8) inibindo suas ações. Além disso, promove aumento na contagem de células vermelhas no sangue(9) o que pode promover melhoras em provas de resistência, através de um sangue mais oxigenado. Mais células vermelhas também melhoram a recuperação após atividade física estressante. Como você deve ter observado, os efeitos da testosterona são dose-dependentes, isso é, quanto maior a dose maior o crescimento(10).
Testosterona melhora a contração muscular aumentando o número de unidades motoras no músculo(4) e melhorando a transmissão neuromuscular(12). Também promove a síntese de glicogênio(13) que é o combustível para exercícios musculares intensos. Também promove aumento na agressividade(14) o que explica a confiança dos atletas que a usam.
Testosterona também é boa para promover perda de gordura. Tendo um efeito antiestrogênico cria-se o ambiente perfeito para perda de gordura. Ela se liga ao AR nas células de gordura promovendo lipólise e prevenindo a formação de nova gordura(15). Outro efeito indireto é que a testosterona promove um grande crescimento muscular, e para esse crescimento ocorrer precisa-se de nutrientes, logo, menos substrato fica disponível para o tecido adiposo.
Testosteorna será convertida no hormônio femino estrógeno (pela via da aromatização) pela ação da enzima aromatase. Estrógeno em doses excessivas pode causa efeitos colaterais como: acne, o aumento do tecido mamário (ginecomastia), ganho de gordura e diminuição da lipólise, perda do desejo sexual, atrofia testicular e retenção hídrica que pode aumentar a pressão arterial). Além disso a testosterona interage com a enzima 5alfa-redutase que a converte em DiHidroTestosterona (DHT) um forma mais androgênica do hormônio. DHT tem uma forte interação com tecidos que levam a queda de cabelo em usuários que apresentam tendência genética para tal. Além disso, o DHT pode afetar a próstata causando uma hiperplasia e podendo levar a problemas urinários. As drogas inibidoras dessa enzima (Finasterida) podem evitar esses efeitos sem bloquear a ação anabólica da testosterona(16). Doses altas de testosterona também têm um impacto negativo no colesterol, diminuindo a taxa de HDL(17). Testosterona, é provalvelmente, o esteróide mais seguro, porém deve ser tomada de forma leve.
Os níveis de testosterona caem muito após os 50-60 anos(18). Esses níveis mais baixos significam perda de massa muscular, ganho de gordura e baixa libído(18). Então torna-se boa a idéia de uma reposição exógena de testosterona. Essa reposição também pode prevenir o mal de Alzheimer e outras doenças cognitivas, proteger os nervos, regenerar unidades motoras, melhorar o humor, memória, apetite, libído, melhorar a massa óssea e diminuir o risco de doença cardíaca(19)(20)(21)(22). Deve-se tomar cuidado com altas doses, que podem resultar em efeitos colaterais(23).
Deposteron é uma óleo injetável que contém testosterona e o éster cipionato. O éster denota o tempo de liberação da testosterona após a injeção. Esse éster, particularmente, dá um tempo de ação de aproximadamente 15-16 dias. Níveis estáveis podem ser atingidos com uma injeção por semana. Uma coisa engraçada é que muitos usuários acham que o Deposteron é mais ou menos poderoso que o enantato de testosterona. A verdade é que, eles são quase idênticos, então quase não existe diferença entre eles.
Outras Apresentações da Deposteron

-Ultra Lenta Fuerte 200mg/ml

-GoldTesto Cipionato 200mg/ml

-Testabol Depot BD 200mg/ml
Bibliografia
1. Heart. 2004 Aug;90(8):871-6.

2. J Clin Endocrinol Metab. 1997 Feb;82(2):407-13.

3. Am J Physiol Endocrinol Metab. 2002 Mar;282(3):E601-7.

4. Curr Opin Clin Nutr Metab Care. 2004 May;7(3):271-7.

5. Curr Pharm Biotechnol. 2004 Oct;5(5):459-70.

6. J Clin Endocrinol Metab. 2004 Oct;89(10):5245-55.

7. Anat Histol Embryol. 2003 Apr;32(2):70-9.

8. J Lab Clin Med. 1995 Mar;125(3):326-33.

9. Zhonghua Nan Ke Xue. 2003;9(4):248-51

10. J Clin Endocrinol Metab. 2003 Apr;88(4):1478-85

11. steriod.com/forums

12. J Appl Physiol. 2001 Mar;90(3):850-6.

13. Can J Physiol Pharmacol. 1999 Apr;77(4):300-4.

14. Health Psychol. 1990;9(6):774-91.

15. Biochim Biophys Acta. 1995 May 11;1244(1):117-20.

16. Am J Physiol Endocrinol Metab. 2005 Jan;288(1):E222-E227. Epub 2004 Sep 14.

17. J Clin Endocrinol Metab. 2004 Dec 21

18. Sports Med. 2004;34(12):809-24.

19. Heart. 2004 Aug;90(8):871-6.

20. Pol J Pharmacol. 2004 Sep-Oct;56(5):509-18.

21. Proc Natl Acad Sci U S A. 2002 Feb 5;99(3):1140-5. Epub 2002 Jan 22.

22. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2001 May;56(5):M266-72.

23. J Clin Endocrinol Metab. 2005 Feb;90(2):678-88. Epub 2004 Nov 23.